quarta-feira, 11 de agosto de 2010

e quem um dia irá dizer que não existe razão...

Eu sei que as coisas vão melhorar. Nem que seja longe um do outro... só vão melhorar.
O meu amor é tanto que as vezes parece que não aconteceu nada; e depois de tudo o que ouvi, a minha vontade hoje quando me segurou entre as pernas, era de te abraçar, beijar, sentir sua respiração ofegante... ter você.
Eu sei que não vai ser fácil. E nem está sendo. Muito pelo contrário.
Fiquei num jejum intenso por quase 30h. Chorei litros de lágrimas que insistiam em cair. Segurei mil lágrimas que borbulhavam nos meus olhos quando me deixou no ponto de ônibus. Segurei mais mil lágrimas durante o trabalho. E mais mil na volta para casa.
Mas quando entrei pela porta e vi o que tinha deixado pra mim, foi como uma explosão de sentimentos. Vários... misturados, confundidos, doídos, machucados.
Aquela flor; único botão, tão vermelho, tão intenso, tão vivo e verdadeiro. A flor mais linda que eu já ganhei em toda a minha vida. Aquela música tocando... Como disse, tem horas que parece não ter acontecido nada e eu sei que não duvidaria de mim, esquecer.
Mas você me confunde tanto e eu não sei o que esperar, não sei como agir.
Me fala tantas coisas, faz tantas outras e faz eu morrer por horas. E então, o dia termina com surpresa e música bonita. O que esperar? O que quer de mim?
Você me deu o pior aniversário que eu poderia esperar ter. Você me deu a pior dor no coração. Você me deu a pior decepção. Todas essas coisas "doloridas" são de seu mérito.
E eu? Continuo amando cegamente. Continuo aguardando um beijo. Continuo aguardando um abraço. Continuo aguardando ouvir sua voz.
Eu amo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário