quarta-feira, 29 de setembro de 2010

living.

Daqui à uma hora, termina meu dia de trabalho.
Daqui à um dia, acaba o mês.
Daqui à dois meses, acaba o ano.


Tudo muito rápido.


Talvez o fato de passar tão rápido é porque nós arredondamos as horas, esperamos ansiosos demais por cada final de semana, esperamos mais ansiosos ainda pelo dia de receber nosso salário e quando vemos, já começou a novela dàs 21h.

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Eu quero!


Olha, não que eu não goste de cursar publicidade e propaganda... pelo contrário, eu gosto muito. Mas tem vezes que eu me perco nos pensamentos de como seria se eu estivesse cursando gastronomia.
Sempre tive algo na minha mente de chef de cozinha, restaurante bonito, viagens pelo mundo com diferentes comidas e essas coisas.
Eu não gosto de cozinhar em casa por simples motivos: minha cozinha é muito pequena e eu não tenho dinheiro para fazer pratos diferentes - comprar temperos e ingredientes bons, custam caro!
Coisa que não gosto é fazer comidas pobres em ingredientes e aquelas comidas um pouco sem graça do dia-a-dia.
Mas comida é algo que me fascina! Bonito, sofisticado, cheiroso e gostoso.
Como eu queria ser rica! Cursaria gastronomia pela manhã, estudaria francês pela tarde e à noite, me jogaria na publicidade.
Não entrei para o curso de gastronomia pelos meus pais, que me fizeram a cabeça com o tal: "você vai ser cozinheira a vida toda." Muitas vezes penso em largar tudo e entrar para esse ramo que tanto me encanta, mas não vou por certo medo, eu diria, da reprovação que terei deles.
Mas algo é certo! 4 anos de publicidade e depois 2 de gastronomia. Eu quero e quero e quero e .
Ah, gastronomia... Como eu quero.

sábado, 25 de setembro de 2010

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

nostalgia.




Essas tardes chuvosas são sempre nostálgicas para mim - O barulho do trovão, os pingos na janela de vidro.Vem o cheio da minha infância, o gosto da minha adolescência, a dor da minha saudade... a falta. Falta de tudo que já passou. Das amizades que eu tive e que perdi, talvez por orgulho, talvez por cansaço. Das tardes vendo desenho, comendo brigadeiro e falando mal da menina da sala ao lado. Das tardes estudando no colégio. Dos meninos que beijei. Dos meninos que me apaixonei.  Das lágrimas derramadas por não acostumar com o pai fora de casa. De toda sexta-feira na casa do vô e da vó. Das minhas aulas de música. Do meu terrível fanatismo por Hanson. Das tardes de bicicleta. Dos banhos de chuva que eu não tomei. Do meu primeiro beijo e aquele banho de chuva, que dessa vez, eu tomei. Da primeira vez que chorei escrevendo uma carta para dizer o quanto o amava. Da minha festa de quinze anos. Das minhas músicas de metal. Do meu sofrimento com a matemática. Do meu cabelo comprido e escorrido. Da minha inocência. Da minha porta toda rabiscada com letras de música. Da primeira vez que sai a noite. De quando eu não tinha nada para fazer a não ser ver desenho animado e ir pra aula. Da primeira vez que bebi até vomitar. De paixões de verão. Dos meus amigos meninos. Da minha super vontade de por piercing. Do meu all star preto e sujo demais para aparecer o FUCK YOU escrito nele. Da primeira vez que usei salto alto. De quando eu virei mais mulher, me maquiava todo dia e ia no salão de beleza todo mês. Da época que problema era não ser muito popular na escola, a mãe não deixar sair e o tal do boletim. Das tardes indo na Lambs tomar sorvete e voltando pra casa pra ver Malhação. Das outras tardes comendo bis branco e tentando tomar um pouco mais de coca-cola que me restava no meio dos meninos. Da casinha da Barbie que eu ia montado em cada aniversário. Dos esfolões no joelho por causa do skate. Dos meninos que se apaixonavam perdidamente pelos meus cabelos. De quando as meninas mais novas me adicionavam no msn para dizer que eram minhas fãs (???). De quando eu e a Su voltávamos da nossa aula de dança e terminávamos com uma lata de leite condensado, sem medo de ser feliz. De quando todas as minhas amigas de 15 anos tinham celulite e eu não tinha nem que apertasse minha perna. De quando eu sonhava em ser mil coisas famosas, sem saber que era algo muito difícil de se realizar. De quando eu caia de roller e machucava a bunda. De quando eu jogava balão com o meu pai, na sala. De quando eu era ímpar nesse negócio de amor. De quando meu pai me levava de bicicleta para a escolinha. De quando eu namorei um menino chamado Murilo e nunca o beijei. Do meu quarto de infância todo azul céu. Do meu quarto de adolescente todo lilás. Da brincadeira de irmãs. De quando eu ficava com febre de tanto medo. De quando meu vô tocava violão e eu e meus primos gritávamos a música: "O DIAAA EM QUE SAIII DE CASAAAAA, MINHA MÃÃÃEEE ME DISSE..." e o no outro dia a vizinhança toda perguntava quem tava cantando daquele jeito. De quando meu pai chegava todo dia com MeM's. Das vezes que minha vó fazia batatinha frita e deixava a gente escolher o sabor do suco de saquinho. Das brincadeiras de power ranger. Do café preto com bolacha maria na casa da vó, com as primas. Do clube de piscinas no verão. Do acampamento de barracas, com a família. De andar de cavalo com o vô. De ir para o Rio Grande, esquecer do mundo, voltar para casa coberta de terra e com um vídeo de uma tentativa de "jornal" e muitas risadas. De quando eu fazia ctg. De quando meu vô contava histórias da sua infância. Dos posões na casa do vô com campeonato de arroto. Dos primos saindo pela casa escura, um com uma vassoura, outro com um cano pvc, outro com uma raquete de tenis e afins, pensando que tinha ladrão. Da época em que ver helicóptero era mágico. De quando eu morria de medo da onda do mar. De andar de balanço. De juntar todos os brinquedos e por no no baú, se não apanhava da mãe. De quando as piadas de louco e de pontinhos eram as mais engraçadas do mundo todo. De quando eu estudava de tarde, voltava de combi e ia assistir tv cruj, comendo cereal. De quando horário era só o de entrar para tomar banho e jantar. Do cheiro do lápis de cera. De quando meu filme preferido era Matilda. De quando eu ficava sentada na cama imaginando como eu ia ser quando crescer (cabelo comprido até a cintura, vestido lilás de flores e dona de uma floricultura)... são muitas lembranças. Estou muito nostálgica nesses últimos dias.
Agora já tenho 20 anos. E que idade estranha essa. Não é adulto e nem adolescente. É muito cedo para algumas coisas e já tarde para outras. É hora de pensar em filhos e faculdade. É hora de ter um amor para casar e sair com as amigas. O mais fácil é dizer que é uma idade "meio termo". É o começo de uma nova fase e final da outra, mas não muito marcada, as fases ainda se entrelaçam umas nas outras. É bom ter 20 anos. Estou trabalhando, tenho meu ap, irei me formar em algo que eu adoro, penso em ter filhos, encontrei o amor da minha vida e estou praticamente casada... só algumas coisas não mudam:  a casa do meu avô, junto com meus primos, é o melhor lugar do mundo; ainda amo MeM's; minha cor preferida para tudo, inclusive para quartos, é lilás; às vezes como leite condensado sem medo de ser feliz; e ainda gosto e muito, de desenho animado.


Tudo que vai
Deixa o gosto, deixam as fotos
Quanto tempo faz
Deixam os dedos, deixa a memória
Eu nem me lembro mais
Fica o gosto, ficam as fotos
Quanto tempo faz
Ficam os dedos, fica a memória
Eu nem me lembro mais





quarta-feira, 22 de setembro de 2010

afilhada.



Gente, como não vou ser coruja?

terça-feira, 21 de setembro de 2010

aleatório

cansaço amor fome sono prova sol sexo férias família beijo música irmão brincadeira mar céu comunicação marketing parede fumaça banho janela comida boca tesão internet roupa espelho mochila perfume óculos rua árvore dinheiro saudade chão sujeira viagem cabeça esmalte estudo integrada namorado cobertor cadeira expressão ônibus manhã crédito foto presente creme vestido livro energia costas escadaria chinelo cirurgia ciúme ansiedade dor felicidade preocupação lágrima carro barulho montanha rio grama violão calcinha carta tiara travesseiro vontade preguiça propaganda magra laranja cinema liberdade antena geladeira consumo bolsa tatuagem cabelo cicatriz filme praia lua faca nutella desenho história animal tequila tijolo água teletransporte ideia. fim.

14.450 chicletinhos!



Meu Deus, era tudo que eu queria!

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

só lembrando.


E a minha vida, hein? Sempre mudando! Tudo começou em 2007... em abril eu terminei um relacionamento de quase 3 anos; em junho meu irmão nasceu; nesse mesmo mês meu pai casou; em julho recebi a notícia de que ganharia mais um irmão; em agosto fiz 17 anos e comecei a pirar sobre o vestibular; em setembro conheci a Bahia. 
2008... em fevereiro comecei a fazer Desing (Céus, estaria me formando ano que vem!); em março minha irmã nasceu; em junho meu irmão fez 1 ano; em agosto completei 18 anos e tirei minha carteira; em setembro tranquei a faculdade; em novembro comprei um peugeot; em dezembro comecei a frequentar o psicólogo e fazer squash.
2009... em fevereiro voltei a fazer cursinho; em março minha irmã completou 1 ano, o irmão do meu avô morreu e eu sofri muito e meus cabelos, que estavam pra baixo dos seios, foram parar nos ombros; em abril viajei pra São Paulo e enfim conheci o tal Ricard Casanova; em maio abrimos uma loja, viajei à Curitiba e vi o show do Oasis e adivinha com quem? Ele... Ricard Casanova! em junho meu irmão completou 2 anos, viajei para Santos e passei uma semana com o (agora) Ricardo, passei no vestibular para publicidade e propaganda; em julho descobri que tinha que fazer mais uma vez a cirurgia no fêmur, comecei a chorar de desespero, comecei a arrumar minhas coisas e dia 15, viajei com meus avós para Joinville, onde chorei por todos os dias com saudade de casa. E dia 18, finalmente estava na minha nova cidade... Curitiba. E foi em julho que mais coisas aconteceram... Dias depois eu, enfim, achei um lugar para morar. Um ap bem na frente de um shopping, em uma avenida agitadíssima, com um menino e uma menina que eu nunca tinha visto na vida. Minhas aulas começaram, que faculdade linda! Me apaixonei mais ainda com os professores e com a biblioteca. Meus colegas tinham cara de metidos. Mas eu não os conhecia. Medo de não fazer amizades me dominava. Minha mãe chegou pela manhã e à noite, ele chegou. Lindo, cheiroso e eu então notei o quanto estava apaixonada, quando passei mal por ele estar chegando e eu vendo que não ia conseguir ir buscá-lo na rodoviária; em agosto ele veio mais uma vez e aí, o levei para minha cidade, conhecer minha família. Era dia dos pais, tinha churrasco e todos gostaram dele. Dia 09, no domingo, voltamos. Eu dormi por um tempinho no ônibus e acordei com ele me dando vários beijos na bochecha... pronto, quero pra sempre. 00h, ainda no ônibus... PARABÉNS! Eu, 19 anos. Ele, indo pra Santos. Dia 10 chegou e eu passei o dia inteiro sozinha e quando chegou a noite, chorei. Queria estar em casa, queria minha família... Será que aguento? Em setembro já tinha feito amizades, elas três... Carol, Paty e Gabe. Que lindas e legais! Já estava me acostumando um pouco. Feriado de 7 de setembro, ele veio, fui buscá-lo no aeroporto. Que final de semana bom. Não vai embora? "Vamos morar juntos?" "Fala sério?" "Claro que sim. Venho morar aqui com você. Só me promete que vai querer." Outubro, o mês que eu mais fui feliz com ele. Ele era lindo e me tratava maravilhosamente bem. Pensei nunca mais achar outra pessoa como ele. Ele veio, tentou fazer surpresa. Chegou pela manhã e eu me senti apaixonadamente feliz. Viajei para São Paulo e fui ao programa do Jô Soares... que experiência legal essa! Em novembro, o mês que eu mais fui triste ao lado dele. Nem quero lembrar... Dia 09 fui para São Paulo, onde assisti ao show do Deftones, Faith no More e Jane's Addiction. Estava cada vez mais ligada aos meus amigos novos e amando todos eles! Várias jantinhas, barzinhos, risadas, Kings Of  Leon e algo que parecia durar para sempre. Em dezembro fui pra Santos passar uns dias. Minha pior ida. Brigamos, terminamos, choramos e voltamos. Passei o natal com ele. Estava feliz. Fui pra casa. Que bom ver todos, estava com saudades! 
2010... que começo de ano diferente! Eu, mãe, Bernardo, padrasto, vô e vó, na sacada, tomando champagne, vendo os fogos e comendo bombom. Dia 12 chegou, minha cirurgia. Medo total. Passou, foi tudo bem... muletas. Saudade dele, já fazia 1 mês que não o via. Meu peito doía e gastei 500,00 em mensagens. Começamos a ter umas brigas, "Não quero mais morar com você." Meu primo mais velho se casou... Em fevereiro voltei pra casa. Comecei a trabalhar, durou 2 dias, depois já não conseguia mais caminhar. Larguei. Comecei a fazer fisioterapia. Voltei para a faculdade e aos meus amigos lindos. Dia 26 terminamos, dia 27 às 7h da manhã, ele estava aqui. Depois de 2 meses, enfim o senti novamente. Em março fomos para Santos e voltamos com suas roupas. "É isso que você quer?" "Sim". Dia 07 fomos pra Chapecó, minha irmã estava fazendo 2 anos. Em abril alugamos nosso ap, nos mudamos e fizemos 1 ano de namoro. Em junho meu irmão fez 3 anos e mais uma vez, chorei por não estar ao lado dele. Em julho tranquei a faculdade, fui para casa e ganhei uma afilhada. Em agosto arrumei um estágio de publicidade e propaganda nos Correios e fiquei muito feliz, fiz 20 anos e foi o pior aniversário que já passei em toda a minha vida. E o mês foi o pior também. E agora, em setembro, continuo assim... Acordo, almoço, pego o ônibus, trabalho, pego o ônibus de novo, venho para casa, janto, tomo banho, vejo a novela, fico com ele, durmo. Rotina total, mas... diferente! E esse mês meu pai conheceu a família dele e gostou de todos. 
Ano que vem volto para a faculdade, mas à noite. Sinto muita falta dos meus amigos, de como era antigamente. E não quero perder a amizade da Gabe, da Carol, do João, do Fabio... adoro muito todos eles!
E continuamos juntos e assim espero continuar por mais muito tempo. Com essa minha vida... Sempre mudando e sempre se ajeitando.


Nossa, e nem vou ler esse post, se não me assusto.

sentimentos confundidos

Foi algo intenso, verdadeiro e triste. Acordei suada, com uma dor no peito e achando que realmente aquele sonho tinha acontecido. Ele ainda não saiu da minha cabeça. Nem o sonho e nem o número... 9131 0808.
Que besteira. Besteira ficar pensando em um sonho. Mas são poucos os sonhos que me machucam durante o dia inteiro. Será medo? Será angústia? Será lembranças? Será só o resultado do pensamento que tive antes de dormir? Espero que sim. Eu lembro perfeitamente dela. Dos seus cabelos loiros. E também lembro da sua cara ao mentir e das minhas lágrimas caindo em uma camisa meio lilás. Depois de chorar, pegar minha bolsa e dizer adeus. Sair pela porta e prometer que nunca mais ia voltar. Aquela tinha sido a última vez que eu chorei por ele. Quando acordei e senti sua respiração em mim, sai do seu abraço. Fiquei pensando um pouco, perdi o sono e enfim, voltei a dormir... Foi real?
Seria uma mistura de sentimentos confundidos aqui no meu peito?
Estamos insistindo um no outro por mais uma vez. Ah, paixão... Não vivo sem. Não tem jeito. Quando vem a briga e eu deito na cama, penso: não vou chorar e nem correr atrás. Mas aí chega o outro dia e lá estou eu, sem comer, sem dormir... Hum, engraçado ver assim, mas nossas vidas aconteceram justamente na hora certa. Valeu a pena ficar imaginando como seria um beijo seu durante tanto tempo. Quando aconteceu, era pra acontecer mesmo, e assim desenrolou nessa vida que estamos vivendo. Juntos. E sempre na hora certa.
Estou deprimida. E tudo por causa desse sonho idiota. Acho até meio ridículo, mas só vai passar quando você chegar em casa e me abraçar... eu sei disso.
Ah, como eu amo você. E esses sonhos só me mostram como eu morreria se te perdesse para outra pessoa. 

novos filhos

Meu Banner, meu flyer e minha mala direta. OUN!

sábado, 18 de setembro de 2010

someday.





Bom, todo mundo sabe que eu quero muito ser mãe um dia, mas esse enjoo e essas dores me deixam assustada demais.


sexta-feira, 17 de setembro de 2010

ele, sagitariano.

Marte em quadratura com Vênus natal



Os dias que vão de 13/09 às 13h20 até 29/09 às 20h22 podem reservar alguns conflitos de relacionamento para você, Ricardo. Não chegam a ser conflitos graves, e eu costumo inclusive dizer que os choques e atritos são essenciais para o desenvolvimento de qualquer relação. A questão envolve um choque de quereres e de prioridades, com uma tendência à desarmonia entre o que as partes envolvidas desejam. Na verdade, caberá a você levantar a primeira bandeira branca e fazer algumas concessões, com o fito de preservar a harmonia do relacionamento, mas isso não significa, em absoluto, que você precise se submeter completamente à vontade alheia! Na verdade, quando fazemos nossa parte, abrindo mão de algumas coisas, a tendência natural é que o outro também reconheça a necessidade de fazer concessões.






Uma coisa muito comum neste período é a famosa "troca de acusações", quando um fica jogando coisas na cara do outro. E mesmo que você não esteja se envolvendo afetivamente com alguém neste momento, este trânsito pode ser vivido com as pessoas que você mais ama, ainda que sem nenhum teor sexual.






Outro ponto importante a se considerar: se um objeto lhe parece incrivelmente atraente na vitrine, que tal esperar este ciclo passar para comprar a coisa? Não é que você não possa comprar, mas estou certo que você fará uma compra melhor se esperar este ciclo passar. A tendência é a de você comprar algo por um preço maior do que o real, ou de comprar gato por lebre. Controle seus impulsos desejosos, que estão fortes demais neste período.

eu, leonina.

Sol em oposição à Lua natal



O período que se segue entre os dias 17/09 (hoje) às 2h35 e 04/10 às 10h58 poderá ser sentido por você como uma fase de uma certa incoerência e contradição, Andressa. Sabe aqueles dias em que a gente tem a impressão que quer fazer uma coisa, mas as nossas atitudes apontam para caminhos contrários? Ou quando a gente diz que vai fazer uma coisa, mas faz do avesso? Pois é, este é o período, mas não tende a ser algo particularmente ruim, basta ter consciência da tendência para saber controlar-se melhor. Ao perceber sua própria tendência contraditória maior que o normal neste momento, você poderá domá-la, disciplinando-se devidamente.






Como o Sol estará rivalizando com a Lua do seu mapa de nascimento, você pode sentir estes dias como dias de um leve mau humor, sentindo que está recebendo críticas a mais do que o normal, mas isso tende a ser mais uma impressão do que uma realidade, Andressa. Nem sempre quando as pessoas nos mostram outra forma de ver as coisas isso significa que elas não gostam de nós. Na verdade é você quem estará se criticando. Então, pense: até que ponto você não está agindo com muita dureza em relação aos seus próprios defeitos? Não estou dizendo que você deve ser autocondescendente, Andressa, mas que tal pegar mais leve? E não apenas com você, mas com os outros também, pois é bastante provável que você esteja agindo de forma excessivamente crítica, e não os outros.






A palavra-chave do momento é incoerência. Então, não se impressione muito com acontecimentos imprevistos e coisas que lhe soarão como maluquice total, do estilo de alguém lhe dizer uma coisa e na "hora h" fazer outra totalmente diferente, ou você determinar-se a algo e então perceber que não estava de fato assumindo um compromisso persistente. Não é, portanto, um bom momento para começar coisas, mas tão somente para continuar aquilo que você já estava fazendo.

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

badtrip.

Nossa, que semana! Ônibus atrasando todo dia, vem lotado de pessoas, trabalho cheio de coisas para fazer, chega 17h30 não fiz nem metade. Depois espero de novo e super cansada, o ônibus atrasado e que mais uma vez vem lotadíssimo. Sem contar que até briga no tubo eu peguei essa semana. Não que eu não goste de ter bastante trabalho. Na verdade, eu adoro. Estou aprendendo muito e gosto de nem perceber que a hora está passando. Mas o que me cansa mentalmente é o ônibus. O pouco tempo que fico dentro dele parece ser uma eternidade! E ainda chego em casa sem vontade de estar em casa. Sabe quando você vai para casa querendo ficar na rua porque sabe que na sua casa, você vai se machucar mais um pouco com o silêncio? Então, nessa semana, estou nessa.
E hoje a mulher do irmão do meu padrinho faleceu; eu não conhecia muito ela, mas pelo fato de eles também terem perdido a irmã, que sofria de câncer, no início desse ano, me deixa muito triste. Eles não precisavam passar por isso de novo. E ainda mais que ninguém imaginava que ela iria falecer assim e deixar uma filha de 8 meses. 
Nada está ajudando nessa semana. Tudo está errado. 
Mês passado foi horrível e eu esperava que esse mês fosse bem melhor.
Ontem, comendo um doce sozinha no Fran's Café, à 1h da manhã, fez eu me sentir imensamente triste e solitária. Coisa que eu realmente odeio sentir.
Não consigo comer, não consigo dormir. 
Ai, credo... Sai zica!

ok, go.


Bom, agora estou com fome. É certo: briga = total falta de apetite. Mas como estou fora de casa e procurando não pensar na besteira, volto a vida normal.

Procuro não pensar e não lembrar do acontecido mesmo! Porque aí eu começo a ver como alguém de fora e quanto mais eu faço isso, mais eu acho ridículo e sem fundamento.


Agora vou voltar ao trabalho. Tenho um banner, uma filipeta e uma mala direta para terminar.
Preciso de IDEIAS!!!

Um momento para a criação. Cheers!


Deixamos pra depois uma conversa amiga, que fosse para o bem, que fosse uma saída. Deixamos pra depois a troca de carinho. Deixamos que a rotina fosse nosso caminho. Deixamos pra depois a busca de abrigo. Deixamos de nos ver fazendo algum sentido. Amanhã ou depois, tanto faz se depois for nunca mais…nunca mais. Deixamos de sentir o que a gente sentia, que trazia cor ao nosso dia-a-dia. Deixamos de dizer o que a gente dizia. Deixamos de levar em conta a alegria. Deixamos escapar por entre os nosso dedos, a chance de manter unida nossas vidas.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Venho aqui deixar minha imensa tristeza por não ir no SWU e perder mais um show do Incubus...


:~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

pronto.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

domingo, 12 de setembro de 2010

alone

Como domingos são chatos. E meu sábado foi um domingo também.
Final de semana chato! 
Queria muito estar lá no meu pai ou no meu avô. 
Não gosto de ficar sozinha.
Hunf. TÉDIO.








PLOP

sábado, 11 de setembro de 2010

pain.

O que você faria se a vida de seu amor dependesse de uma decisão sua? 
Uma decisão nada fácil. Talvez a pior decisão que você teve que tomar. 


Desligar os aparelhos? Esperar alguns dias para ver aquele coração, que era todo seu, parar de bater?


Agora é só uma questão de tempo. Uma espera alucinada. Uma espera que será a mais longa da sua vida.
Daqui a alguns dias, seu amor não estará mais aqui. Não estará mais naquela cama, com a vida sendo segurada por aparelhos. Acabou. Seu coração ainda bate, luta, sofre... Mas agora, é só uma questão de tempo.


Esse pode ser o pior final de semana que você nunca imaginou ter. Mas o mais difícil, é chegar em casa e ver a criança de apenas 8 meses, sentindo a falta da mãe.


Aquela mãe, deitada na cama do hospital, aguardando a hora do seu coração parar de bater. 


Que Deus abençoe.

sexta-feira, 10 de setembro de 2010



Sei que nessas horas é até difícil esperar alguma coisa, mas ter fé é sempre importante... Força Sabrina!

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

holiday


E esse feriado, hein? Meu pai veio, trocamos de carro, viajamos... Muito bom!
Claro que teria sido bem melhor se o tempo tivesse cooperado lá em Santos, mas deu pra aproveitar mesmo assim.
Comi muita besteira, dei muita risada com a minha nova família que são todos engraçados e muito legais, dormi até tarde, comi muita besteira de novo, dei mais um pouco de risada com a minha irmã que está cada vez mais engraçada, as duas famílias se conheceram e já começaram a falar como e onde vai ser o casamento, e quando e como serão os filhos O.O e claro, curti meu "quasemarido" todos os dias *.*

Hoje voltou tudo ao normal. Cá estou eu em frente ao computador esperando o cara da gráfica vir para mandar imprimir as revistas... E tô caindo de sono.

E o que restou de 7 de setembro foi uma saudade das famílias, uma falta da falação da Rafinha, um 206, uma dor de estômago e uma semana que começou na quinta-feira.

sexta-feira, 3 de setembro de 2010


Agora deixa eu ir para casa curtir o feriado com meu pai, rafinha, vivi, sogrinha, meu amor, santos e a praia.

See ya! :)


Bom, sinto vontade de escrever, e aí... escrevo. não é? na verdade, no momento, tô com vontade de gritar pra todo mundo saber o quanto eu sinto falta do seu abraço, depois de apenas 4 horas longe de você.
Eu te amo mesmo e não passa pela minha cabeça não estar com você.
Agradeço por ter seu sorriso todos os dias e assim espero tê-lo para o resto da minha vida.
Chega logo 23h pra eu ganhar outro abraço como àquele que ganhei hoje, enquanto o macarrão ficava pronto.
Te amo muito e vou estar sempre aqui... do seu lado, com você, em você.

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

singlecore.





Senhor, quero sempre fazer Tua vontade
Viver a vida imitando os Teus passos
Nem sempre faço todo o bem que eu quero
Mas sim o mal que não desejo fazer
Meus passos são humanos
Meu coração está aprendendo a amar
No Teu amor encontro forças pra continuar
No teu perdão encontro paz,
Encontro o meu lugar
Senhor eu sei que sou humano e tão fraco
Ainda escravo do meu próprio pecado
Dentro de mim eu amo a lei de Deus
Mas na minha carne vejo estar outra lei





Deus me ama assim, do jeito que eu sou.