domingo, 28 de novembro de 2010

"Há nada como um dia; Após o outro dia; Pro meu coração"



Quando a gente namora, não vê a hora de morar juntos e viver juntos e tudo juntos. Passam o dia todo juntinhos e quando chega a noite e cada um vai para a sua casa, da aquela saudade e aquele sentimento de: fica aqui, dorme aqui comigo e amanhã vamos passar mais um dia juntinhos. É bom, né? Pensar assim e esperar essa hora chegar. Mas quando chega, você percebe que "casamento" é uma coisa louca! Por um lado, é ótimo... risadas, companhia, proteção, segurança, manias, dormindo abraçadinho, sexo quase todo dia (passou 2 dias sem, já fica meio louca), tudo em conjunto... acordar juntos então? Tão bom! Mas ai, vem o outro lado... homem é porco, mulher é chata com gente porca. Homem é meio desligado, mulher, mais uma vez, é chata com gente desligada. Homem consegue ser muito irritante, e a mulher? Pois é... Homem é assim e mulher é assado. Duas criaturas extremamente diferentes. 
Tão comum tu ficar junto com uma pessoa o suficiente pra saber cada parte dela. Quando ela fica braba e muda o tom de voz; quando diz que não está com sono, mas você conhece aquela carinha; quando tá mentindo; quando quer sexo; quando está com fome... tantas coisas que fazem você se apaixonar perdidamente. Mas assim você conhece também, os seus defeitos. Às vezes, a pessoa faz algo que, quando você a namorava em casa separada, nunca imaginou que ela faria tal coisa, e ai... que decepção! "Como assim? Você fez isso comigo mesmo? Não pode ser! Foi só te conhecer melhor e... tchãn!" Aiai, dói no coração quando isso acontece. E ai, minha amiga, você pensa: "homens... ai que ódio de homens!" Mas é assim mesmo... você que escolheu seguir esse caminho. E quem vive sem, né? 
Não gosto do seu jeito assim... não gosto de quando faz assim... não gosto de quando fala assim.... loucura. Casamento é MESMO, uma coisa meio louca. Olha que eu não sou casada, mas é como se fosse, né? Moramos juntos, mas ainda somos namorados, lindos, apaixonados, com tesão até na ponta dos dedos. Sexo bom é aqui mesmo, a gente tem uma conexão muito forte, muita química e essas coisas assim. 
Porra, é muito difícil essa coisa de: eu te amo tanto, mas você é tão difícil de lidar! Como faz?? Ok, resolvemos que não queremos ficar separados. Já chega de: "vai embora!" "vou mesmo!"... "desce, vamos conversar?" "volta pra casa?" É um saco essa coisa... Tu ama até doer o peito, mas os machucados são tão frequentes. Então, o negócio é o seguinte: se os dois cabeças duras não entenderem tais coisas que precisam ser entendidas, vai cada um para sua casa. Assim, tem seu espaço, tem sua saudade e sexo, aposto que vai ser até melhor do que já é. Coisa que não dá, é perder. Terminar um namoro, com amor existente entre as duas pessoas, não rola. 
Sabe aquele filme "Separados Pelo Casamento"? Todos os casais que pensam em morar juntos, sem casar e sem a coisa fluir naturalmente, sabe? Enfim, essas pessoas PRECISAM assistir à esse filme. Nenhum filme representa tanto a vida real do jeito que ela realmente é. Brigam por coisas que acontece na rotina, que não está certo, terminam mesmo se amando e depois de tempos se reencontram. E ai? Ah sim, o amor. Não dá pra parar de amar alguém. Isso não dá. Amor é uma coisa estranha. Você pensa que vai morrer se não ter a pessoa, sofre até os rins, passa um tempo... "estou amando o joão. pedro? ah, esse é passado!" Mas eu tenho a seguinte ideia: quando isso acontece, é porque o amor não era tããããoooo verdadeiro assim. Acho que, o primeiro amor é meio que pra sempre assim. Terminar é tão doloroso, credo! Lágrimas demais, dores demais. Quando mora junto, então? Ah, é horrível! Arruma as malas, tira tudo do guarda roupas, guarda os filmes, tira os perfumes do meio dos seus, tira a escova de dentes que antes ficava grudadinha com a sua, fica tudo assim, tão vazio.  Mas sabe? Pode até terminar, mas se for pra ficar junto, vai ficar!
E ai, seu Ricardo Ribeiro da Silva, não deixe nunca que eu escape dos seus braços. 


Love, Andie.

  

Nenhum comentário:

Postar um comentário