sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

blogando.



Carãn, achei um blog antigo meu, de quando eu me mudei pra Curitiba, o andilii =P 
Foi bom ler ele, muito bom. Eu estava começando uma vida nova, uma fase nova, tudo novo... e o único assunto de todos os posts era você, namorado. 
Aquele namoro à distância, tão perturbado e machucado pelo msn, credo! Que sofrimento. Era tão horrível.
E o quanto eu me sentia sozinha era assustador! Me sentia a maior perdida entre as minhas amigas novas, mal eu sabia que ia ter a amizade da CarolzinhaMaia, tão forte assim :)
Mas o melhor de ler o tal blog, é lembrar o que faz eu tanto me sentir apaixonada por você. Andava meio esquecida, às vezes me perguntava como fui me apaixonar por você, assim, sem nunca termos conversado muito. Quando fomos namorar de verdade e passar algum tempo conversando, já me sentia completamente perdida e viajando no som da sua voz. Enfim, o maior motivo por querer tanto você é que você fazia eu sentir como se tudo fosse possível, tudo. Como eu dormia rápido demais quando sentia sua respiração na minha nuca e seus braços em minha volta. Como eu esquecia de todo o resto do mundo quando me encontrava caminhando na praia de Santos com você. Como eu me sentia uma mulher com um tesão invencível quando estava longe de você. Sem mentiras, você sempre me tirou dos eixos, man. 
Falei tudo no passado porque foi assim que eu me apaixonei por você, mas claro que isso dura até hoje, e foi bom lembrar de cada motivo.
Fiz este blog aqui, quando terminamos. Lembro como se fosse ontem. Fiquei conversando com você no msn até a hora de ir pra aula. Na faculdade, chorei um pouco na meia luz. Quando fui pegar o ônibus, no terminal, subi as escadas atrás de um homem que usava o mesmo perfume que o seu. Por mais que você tivesse ficado por horas tentando me convencer de que não estávamos mais nos dando certo, eu não aceitava. E uns dias depois, você, para a minha felicidade, falou: "e agradeço por você ser uma puta namorada e te quero de volta.". Claro que não foi essas palavras, foi 5x mais lindo e mais interessante. E naquele tempo, eu mal sabia que tu ia largar sua vida de caiçara pra vir morar comigo na capitar que não tem praia. E mal sabia também, que íamos ficar nessa guerra ai de: agora é minha vez de achar que não dá mais e a tua vez de não concordar comigo. Porque com nós é assim. Vivemos terminando e machucando nos fazendo ficar. Não conseguimos, não... de jeito nenhum. Vamos até o fim. Primeiro, ficamos alguns dias sem nos falar, depois, sentamos um na frente do outro e ai, vem a vez de um de nós falar: "já chega". E ai, concordamos um com o outro. Mas depois de algumas horas, brigamos. Brigamos horrores. Nos xingamos. Gritamos... blábláblá. E quando enfim cansamos de brigar, decidimos terminar mesmo. E ai, é aquela coisa ruim de te ver arrumando as malas, arrumando tudo, tirando tudo do lugar. E quando você chega na porta... Fim da briga. "NÃO QUERO QUE VOCÊ VÁÁÁÁ. VEM AQUIIII... EU TE AMOOO". Lágrimas... lágrimas... lágrimas...
Essa última briga foi meio que um tapa na cara, tanto na minha, quanto na tua. E ouvir você me falar que ia me pedir em casamento, foi tão bom (claro que eu não queria que fosse daquele jeito, você chorando e soluçando horrores na minha frente), fez eu parar com algumas dúvidas. 
Mas e ai, estamos indo comprar nossa primeira casa... comprar. nossa. primeira. casa.
É, quando eu fiz este blog para chorar minha dor de um fim de namoro, mal eu sabia que ele ia ser casa de post felizes e tristes, mas posts ao seu lado, dormindo e acordando na mesma cama, todos os dias. E que você seria meu lar e meu calor, nos dias chuvosos de Curitiba.
Ah, essa vida... ah, esses blogs...

Nenhum comentário:

Postar um comentário