domingo, 10 de abril de 2011

Mas e ai...


Então que hoje, sábado, dia 09 (eu sei que já é domingo, mas eu ainda não dormi, então é sábado), está completando 1 ano de apzinho aqui. Quantas coisas aconteceram, hein? O suficiente pra achar que a vida é difícil mesmo. Mas nem desanimo, né? Nunca tive talento para relacionamentos mesmo. Quanto menos para ficar sozinha. Então, enquanto eu achar que dá, eu vou levando. Porque é assim que tem que ser, entende? Uma hora eu até posso parar e enxergar que não dá mais. E talvez eu possa até me arrepender daquele tempo e blablabla, juventude, aquele papo cabeça dos 20 anos. Mas mesmo assim, eu vou estar sabendo que fiz o que eu queria naquela hora, vivi só o momento e a vontade que nele permanecia.. só. E ai, virão as amigas e a mãe com aquele outro papo cabeça dizendo: "o que é importante?" Importante é saber que se você desistir de tal coisa, vai sofrer o dobro, com a falta, do que tu sofre agora, pela famosa falta de talento. Eu sei que talvez nada vai mudar. Aliás, nada muda. Nos fazemos promessas para nós mesmos de que as coisas irão mudar. Mas eu sei que é só ficarmos longe um do outro, por uns diazinhos, que a realidade aparece. E aparece rápido demais. Te pega até de surpresa. E ai, vem a famosa frase: "nada muda, nunca vai mudar. To de saco cheio dessa porra!" To de saco cheio dessa porra - frase que faz tu ficar por horas olhando para a tela do seu computador, sem pensar em mais nada a não ser nas palavras - saco - cheio - dessa - porra. Mas e ai, que tu vai dormir meio que chorando a porra da noite toda. Mas e ai, que tu esquece e manda msg, porque tu sente uma fucking necessidade incontrolável de falar com ele. Mas e ai, que tu meio que esquece do que leu. Mas e ai, que tu sente aquela pontadinha ao lembrar que hoje talvez, era pra ele estar voltando. E mesmo sabendo o porque ele não está aqui, a pontadinha continua. Ai, você senta no chão e tenta entender o porque a merda da pontadinha não sai. Ai você lembra da frase do saco cheio e do quão estranho ele está. Ou nem está, você só o julga estar, pela pontadinha que insiste em não passar. Enfim, ai a pontadinha persiste e você se toca de que talvez, ele nem possa voltar. E por mais que ele tenha falado que vai, o teu sexto sentido nem sempre te engana, porque já faz um certo tempo que você o sente. Ai você reza para que, dessa vez, ele erre. Erre bem feio. E você possa dormir tranquila. E que, principalmente, quando ele fala: "to aqui não sei onde, fazendo não sei o que, com não sei qual amigo", você pensa: "ah, tudo bem... ele tá lá com um amigo." Mulher é uma porra, né? Uma coisa triste. Uma vez que tu brinca com a confiança dela, já era. É algo que uma hora perde o gosto e ai, você terá que deixar meio que na inércia e cuidar para que ele não estrague, esperando ansioso pra que volte a ter gosto e você possa usufruir de todas as coisas boas que ele te dá. Mas ai, que essa confiança perdeu o gosto... e quando ele fala: "to aqui com um amigo, que era nhenhenhe com aquela mina que até então, pra vc, era só minha amiguinha." Ai... mano, tu tem vontade de dormir e acordar só no outro dia... tipo pra não ver, saca?
Olha, minha confiança pra perder o gosto por completo, tem que levar no meio da fuça mesmo, enquanto ele só errar na pontaria, ela só perde um pouco do gosto. Se isso é bom ou é ruim, eu nem sei. Só sei que sou assim e pronto. E ai, tu pensa: "ta dando várias merdas no meu corpo agora, porque aquele merda, fez merda." É que mulher fica puta da cara mesmo, né meu amigo? E ai, que quando você ve que tá sangrando sem estar menstruada, tem insônia e manchas pelo corpo, você pensa: "ele não merece todos esses sintomas vindo de mim. Muito menos, eu sentir tudo isso, por ele." Mas ai, filho, senta e espera passar, porque você sabe que o ama e que vai o esperar voltar lindamente de suas férias e te ver aqui, morrendo de saudade e pronta pra enfrentar mais um ano, em outro apto. Um ano talvez cheio de levada nas fuça, mas se é isso que tu quer, assim será. 
To aqui, no sábado à noite, às 2h05 da manhã, sozinha, ouvindo Janis Joplin, com dor, sangramento e sentindo aquela fucking necessidade de ligar e conversar com ele. Contar como foi meu dia, como eu me senti com aquilo e com isso. Mas ao mesmo tempo, nem consigo pegar o telefone e discar o número dele até o fim. E ah, com saudade, com muita saudade... e esperando ansiosamente que ele volte. 

Eu não te fiz sentir como se você fosse o único homem? Sim! 
Eu não te dei quase tudo que uma mulher possivelmente possa dar? 
Docura, você sabe que sim! 
E a cada vez digo a mim mesma que eu, bem, acho que tive o bastante. 
Mas eu vou te mostrar, baby, que uma mulher pode ser "durona". 


Eu quero que você venha, venha, venha, venha e leve-o, 

Leve-o! 
Leve outro pedacinho do meu coração agora, baby! 
Oh, oh, quebre-o! 
Quebre outro pedacinho do meu coração agora, querido, sim, sim, sim. 
Oh, oh, possua um! 
Possua outro pedacinho do meu coração agora, baby, 
Você sabe que pode, se isso te faz sentir-se bem, 
Oh, sim, realmente. 



Você está fora, nas ruas, parecendo bem, 

E baby, bem dentro do seu coração, eu acho que você sabe que isso não é correto. 
Nunca, nunca, nunca, nunca, nunca me ouve quando eu choro à noite, 
Babe, eu choro o tempo todo! 
E a cada vez digo a mim mesma que eu, bem, não consigo suportar a dor. 
Mas quando você me segurar em seus braços, vou cantar mais uma vez. 



Vou dizer: venha, venha, venha, venha e leve-o! 

Leve-o! 
Leve outro pedacinho do meu coração agora, baby! 
Oh, oh, quebre-o! 
Quebre outro pedacinho do meu coração agora, querido, sim. 
Oh, oh, possua um! 
Possua outro pedacinho do meu coração agora, baby, 
Você sabe que pode, criança, se isso te faz sentir-se bem. 



Eu preciso que você venha, venha, venha, venha e leve-o! 

Leve-o! 
Leve outro pedacinho do meu coração agora, baby!
Oh, oh, quebre-o! 
Quebre outro pedacinho do meu coração, agora querido, 
sim, venha agora. 
Oh, oh, possua um! 
Possua outro pedacinho do meu coração agora, baby, 
Você sabe que pode! 



Leve-o! 

Leve-o! 
Leve outro pedacinho do meu coração agora, baby! 
Oh, oh, quebre-o! 
Quebre outro pedacinho do meu coração 
agora, querido, sim, sim, sim, sim... 
Oh, oh, possua um! 
Possua outro pedacinho do meu coração agora, baby, ei, 
Você sabe que pode, criança, se isso te faz sentir-se bem.

Ah Janis, nem eu descreveria tão bem esse sentimento que está andando aqui comigo a uns dias...


Nenhum comentário:

Postar um comentário